Buscar
  • Instituto Phases

Pense Nisso - Violência Doméstica

Nossa última live do projeto Pense Nisso com a psicóloga Anne Prado com a participação da instrutora de yoga Brenda Bela foi sobre Violência Doméstica. Para isso separamos alguns trechos do reportagens do Instituto Maria da Penha e do Jornal O Globo para falar do assunto. Além disso separamos alguns links importantes relacionados ao assunto.


O QUE É A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA?


De acordo com o art. 5º da Lei Maria da Penha, violência doméstica e familiar contra a mulher é “qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial”.


A violência doméstica é um fenômeno que não distingue classe social, raça, etnia, religião, orientação sexual, idade e grau de escolaridade. Todos os dias, somos impactados por notícias de mulheres que foram assassinadas por seus companheiros ou ex-parceiros. Na maioria desses casos, elas já vinham sofrendo diversos tipos de violência há algum tempo, mas a situação só chega ao conhecimento de outras pessoas quando as agressões crescem a ponto de culminar no feminicídio.


Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2013 o Brasil já ocupava o 5º lugar, num ranking de 83 países onde mais se matam mulheres. São 4,8 homicídios por 100 mil mulheres, em que quase 30% dos crimes ocorrem nos domicílios. Além disso, uma pesquisa do DataSenado (2013) revelou que 1 em cada 5 brasileiras assumiu que já foi vítima de violência doméstica e familiar provocada por um homem. Os resultados da Fundação Perseu Abramo, com base em estudo realizado em 2010, também reforçam esses dados – para se ter uma ideia, a cada 2 minutos 5 mulheres são violentamente agredidas. Outra confirmação da frequência da violência de gênero é o ciclo que se estabelece e é constantemente repetido: aumento da tensão, ato de violência e lua de mel. Nessas três fases, a mulher sofre vários tipos de violência (física, moral, psicológica, sexual e patrimonial), que podem ser praticadas de maneira isolada ou não.


AUMENTO DOS CASOS NA QUARENTENA


Desde que as medidas de isolamento social, para quem pode ficar em casa, entraram em vigor, um triste número também começou a subir nas estatísticas, e não de casos da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.


Alguns estados brasileiros têm divulgado dados alarmantes decorrentes do isolamento social. No Rio Grande do Norte, no período entre 12 de março a 18 de março, os casos de violência doméstica aumentaram 258% (duzentos e cinquenta e oito por cento) com relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com o Observatório da Violência do Rio Grande do Norte.


No Rio de Janeiro, segundo dados do Tribunal de Justiça do Estado, desde o início da quarentena no mês de março, às denúncias por violência doméstica e familiar saltaram mais de 50% (cinquenta por cento).


Em São Paulo, epicentro da pandemia no Brasil, o Núcleo de Gênero em parceria com o Centro de Ajuda Operacional Criminal do Ministério Público paulista divulgaram uma nota técnica que mostra que de fevereiro a março de 2020 houve um aumento de quase 30% (trinta por cento) das medidas protetivas de urgência e de 51,4% (cinquenta e um vírgula quatro porcphh ento) de prisões em flagrante comparado ao mesmo período do ano anterior.


Segundo a ONU Mulheres,  é uma das preocupações durante a quarentena, já que não somente as mulheres estão afastadas de suas redes de apoio (familiares e amigos), mas estão tendo que conviver o tempo todo com o possível agressor.


Segundo especialistas, por estarem envolvidas emocionalmente, muitas vezes com filhos, as mulheres têm dificuldade de identificar principalmente as agressões psicológicas, que podem levar as agressões físicas e até ao feminicídio. A sociedade  tende a estigmatizar e culpabilizar a mulher em casos como esses e desestimular que  denunciem os agressores.


COMO BUSCAR AJUDA?


As mulheres devem procurar, em primeiro lugar, um Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRM) em sua cidade. Lá elas podem buscar orientações para entender melhor a situação pela qual estão passando, obter informações sobre a Lei Maria da Penha e de como romper o ciclo da violência. Dessa forma, as mulheres vão se empoderar e decidir o melhor momento de fazer a denúncia.


Nos locais em que não existe esse equipamento, é possível acionar o Ligue 180, um serviço disponibilizado pelo Governo Federal, que funciona 24 horas por dia durante todos os dias da semana. Por meio desse canal, a mulher pode saber onde existe um Centro de Referência de Atendimento à Mulher ou uma Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), bem como conseguir outras informações que precisar. É possível também dirigir-se diretamente a uma DEAM, sobretudo se a mulher estiver sob ameaça ou sofrendo violência física.


Todos esses passos são muito importantes para quem é vítima da violência de gênero. E quando a mulher revela as agressões que sofre, ela dá um passo importante para quebrar o ciclo. Essa atitude, muitas vezes difícil, ajuda a diminuir o seu isolamento e solidão; por isso, deve ser apoiada e incentivada. O primeiro passo para o acolhimento da mulher em situação de violência é dar crédito aos seus relatos. Mensagens positivas e palavras de apoio vão dar segurança e melhorar a autoestima da vítima, podendo ser preciosas para encorajá-la a sair dessa situação: “Você não está sozinha”, “Eu me preocupo com você e, juntas, vamos buscar a sua segurança e bem-estar”, “Eu acredito em você”, “A sua vida é importante para nós”, “Nenhuma a menos”, “O que você deseja fazer? Como posso te ajudar?”.


PENSE NISSO


Ontem o Phases realizou uma live nas redes sociais com a psicóloga Anne Prado com a participação da instrutora de yoga Brenda Bela falando sobre Violência Doméstica. Confira a gravação da live!


Na live foram comentados sobre sites importantes sobre o assunto e iremos disponibilizá-los para você conferir tudo aqui:


Instituto Maria da Penha


Policia Civil - Delegacia Online


CNJ - Sobre a Lei Maria da Penha


Lista de outros tipos de canais de ajuda


Lista de projetos e iniciativas no Brasil de prevenção e proteção


Campanha Sinal Vermelha


Aplicativo Direitos Humanos Brasil


Disque 180 – Central de Atendimento à Mulher, para denúncias, ou

Disque 190 – Polícia Militar, para atuação emergencial.


Gostou da matéria? Nesse mês teremos mais uma live do projeto Pense Nisso, dessa vez falando sobre "Ser homem na atualidade" no dia 29 de julho às 20h no nosso instagram com a psicóloga Anne Prado e a participação de Luiz Carlos Azevedo Moris, formado na USP com passagem inicial pela PUC-SP, atua baseando-se principalmente na psicologia analítica, fenomenológica e sistêmica.


FONTES: https://www.institutomariadapenha.org.br/violencia-domestica/o-que-e-violencia-domestica.html

https://oglobo.globo.com/sociedade/coronavirus-servico/violencia-domestica-dispara-na-quarentena-como-reconhecer-proteger-denunciar-24405355


7 visualizações
  • Sem Título-1
  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Instagram Branco
MENSSAGER.png
11 2977- 4104 /11 95050-8695
contato@institutophases.com

 

Segunda à Sexta - 8:00 às 21:00
 Sábado - 8:00 às 17:00


 

R. Voluntários da Pátria, 2736 - Santana - São Paulo- SP